11 janeiro 2009

Eletrônica

A injeção eletrônica foi inventada em 1912 pela Robert Bosch e colocada em linha
de produção nos Estados Unidos em 1957 pela Chevrolet mais precisamente no
Corvette. Apesar de oferecer mais performance e economia de combustível, foi
deixada de lado pelos fabricantes por economia e credibilidade. Quando o governo
americano começou a estabelecer limites de eficiência, níveis máximos de emissão
de poluentes e a avançada tecnologia eletrônica, os fabricantes de veículos
começaram a olhar mais de perto a injeção eletrônica. No Brasil ela apareceu em
1989 no Gol GTI e hoje equipa todos os carros produzidos no Brasil. O carburador
drena combustível baseado na demanda do vácuo. Baixo vácuo - mais combustível.
Alto vácuo - menos combustível. A mistura da razão ar/combustível muda conforme
a mudança da borboleta do carburador que regula o fluxo de ar. Ao se fechar a
borboleta do carburador, há uma diminuição da razão ar/combustível pelo fato da
queda do fluxo de ar e simultaneamente do aumento de vácuo. Este sistema
funcionou bem por vários anos, mas a falta de um sistema de controle preciso de
combustível para os motores modernos passou a ser uma necessidade. Os sistemas
de injeção eletrônica de combustível possuem um microprocessador eletrônico
(módulo de injeção) que é responsável pelo controle de todo o sistema. O módulo
analisa as informações vindas dos vários sensores distribuídos pelo motor, processa
e retorna ações de controle nos diversos atuadores, de modo a manter o motor em
boas condições de consumo, desempenho, dirigibilidade e emissões de poluentes.
Alguns sistemas “avisam” o motorista se há defeito em algum sensor ou atuador do
sistema de injeção eletrônica. Os defeitos apresentados ficam armazenados na
memória do computador (apenas no caso de injeções digitais) para posterior
verificação com equipamentos apropriados. Alguns sistemas possuem ainda
estratégia de atualização de parâmetros, permitindo a correção automática dos
principais parâmetros (tempo de injeção, avanço da ignição, marcha-lenta, etc.) em
função de variações como: envelhecimento do motor, qualidade do combustível e
forma de condução do veículo. Os sistemas de injeção eletrônica oferecem uma
série de vantagens em relação ao carburador:
§ Melhor atomização do combustível (injeção sob pressão)
§ Redução do efeito “retorno de chama” no coletor de admissão
§ Controle da mistura (relação ar/combustível)
§ Redução da emissão de gases poluentes pelo motor
§ Eliminação de ajuste de marcha lenta e mistura
§ Maior economia de combustível
§ Eliminação do afogador
§ Facilidade de partidas a quente e frio do motor
§ Melhor dirigibilidade

TIPOS DE INJEÇÃO ELETRôNICA DE COMBUSTÍVEL

Podemos classificar os sistemas de injeção eletrônica quanto ao número de válvulas
injetoras e quanto ao sistema eletrônico empregado. Em relação ao sistema
eletrônico, encontramos basicamente dois tipos:
§ Sistema analógico
§ Sistema digital
Em relação ao número de válvulas injetoras, existem basicamente dois tipos:
§ Com apenas uma válvula injetora de combustível (single point, EFI )
§ Com várias válvulas injetoras (multipoint,MPFI )
Nos sistemas com apenas uma válvula injetora, esta é responsável pela
alimentação de combustível de todos os cilindros do motor. Nos sistemas com
várias válvulas podem ter alimentação:
§ Não sequencial (quando todas válvulas injetam ao mesmo tempo)
§ Semi-sequencial (quando algumas válvulas injetam ao mesmo tempo que outras)
§ Sequencial (quando cada válvula injeta num momento diferente das outras)
A escolha do tipo de injeção para cada veículo, por parte das montadoras, leva em
consideração vários fatores estando entre eles: o custo de fabricação, tipo de
veículo e emissão de poluentes. A injeção eletrônica controla a quantidade de
combustível injetada pelos bicos injetores, para todas as condições de trabalho do
motor, através do módulo de comando. Através de informações recebidas ajusta a
relação ar/combustível bem próxima da relação ideal. Para calcular a quantidade de
combustível precisa-se medir a quantidade de ar (massa) admitida pelo motor.
Existem várias técnicas de medida de massa de ar:
§ Utilizando o medidor de fluxo de ar (LMM).
§ “speed density” (velocidade/densidade)- utilizando a rotação e o vácuo do motor
(MAP)
§ utilizando o medidor de massa de ar – o sensor é um fio metálico aquecido
(técnica de “fio quente”).
Além do controle de combustível, o Módulo de Injeção Eletrônica pode executar
outros controles através dos chamados ATUADORES.


Nenhum comentário: