04 janeiro 2009

Comando de válvulas

A distribuição, ou seja, o sistema de comando das válvulas é concebido para que
cada uma delas abra e feche no momento apropriado do ciclo de 4 tempos, se
mantenha aberta o período de tempo necessário para possibilitar uma boa
admissão da mistura gasosa, a completa expulsão dos produtos da combustão e
funcione suave e eficientemente nos mais variados regimes de rotação do motor.


Há vários processos para atingir estes objetivos. No sistema de balancins acionados
por hastes impulsoras os tuchos recebem movimento de uma árvore de comando
de válvulas situada no interior do bloco. O virabrequim aciona a árvore de comando
de válvulas por intermédio de uma corrente, ou por um conjunto de engrenagens
ou ainda por correia dentada, numa relação 2:1, ou seja, enquanto o virabrequim
dá duas voltas, a árvore de comando das válvulas completa uma.
Para um bom funcionamento, as válvulas devem, ao fechar, ajustar-se
perfeitamente às suas sedes. Para tal, deve existir uma folga entre a válvula
fechada e o seu balancin. Esta folga, que normalmente é maior na válvula de
escapamento do que na de admissão, tem em conta a dilatação da válvula quando
aquecida.
O sistema de ignição deve soltar uma faísca em cada vela no momento preciso, de
acordo com a distribuição que faz abrir e fechar as válvulas no momento exato. O
distribuidor, que funciona sincronizado com as válvulas, tem por função distribuir a
corrente de alta tensão até às velas e é normalmente acionado por engrenagens a
partir da árvore de comando ou do vilabrequim. Os motores mais modernos não
possuem distribuidores e esse sistema se faz eletronicamente.
A árvore de comando das válvulas está assentada no bloco sobre três ou cinco
apoios. Os excêntricos da árvore de comando das válvulas estão dispostos de modo
a assegurar a ordem de ignição.
Os projetistas de motores buscam a redução do peso dos componentes da
distribuição, a fim de obter um aumento de duração e rendimento em motores
funcionando a elevados regimes de rotação. Com este objetivo, utilizam uma ou
duas árvores de comando de válvulas no cabeçote. Nas versões mais modernas
com 16 e 24 válvulas pode-se utilizar até mais comandos.
A ação destas árvores de comando das válvulas sobre as válvulas é logicamente
mais direta, dado que nela intervêm menos peças do que no sistema de árvore de
comando das válvulas no bloco. Um processo simples de transmitir o movimento do
virabrequim à árvore de comando das válvulas no cabeçote consiste na utilização
de uma corrente, contudo, uma corrente comprida terá tendência a vibrar, a não
ser que apresente um dispositivo para mante-la tensa.
Na maior parte das transmissões por corrente utiliza-se, como tensor (esticador),
uma tira de aço comprida ligeiramente curva, por vezes revestida de borracha.
Uma mola helicoidal mantém o tensor de encontro à corrente. Um outro tipo de
tensor consiste num calço de borracha sintética ligado a um pequeno pistão sujeito
a uma ação de uma mola acionada por pressão de óleo. Também se utiliza um
braço em cuja extremidade se encontra uma engrenagem dentada livre (ou
“louca”) que engrena na corrente, mantendo-a esticada por uma mola.
Alguns automóveis de competição apresentam transmissões por engrenagens entre
a árvore de comando de válvulas e o virabrequim. Estes tipos de transmissão são,
contudo, muito ruidosos. Uma das transmissões mais recentes para árvores de
comando de válvulas no cabeçote utiliza uma correia exterior dentada de borracha.
Este tipo de correia, normalmente isento de lubrificação, é fabricado com borracha
resistente ao óleo.
Embora tenha sido usual o emprego de balancins junto à árvore de comando para
acionar as válvulas, é tendência atual eliminar os balancins e colocar as válvulas
diretamente sob a ação dos eixos excêntricos. Algumas árvores de comando de
válvulas no cabeçote utilizam tuchos hidráulicos, que são auto reguláveis e
funcionam sem folga, sendo assim eliminado o ruído característico de batimento de
válvulas.
Um tucho hidráulico compõe-se de duas partes, umas das quais desliza no interior
da outra; o óleo, sob pressão, faz com que a haste aumente o comprimento e anule
a folga quando o motor se encontra em funcionamento.
MAIS DE DUAS VÁLVULAS POR CILINDRO
O que há de mais moderno em sistemas de distribuição do comando de válvulas,
consiste na utilização de 3, 4 e até 5 válvulas por cilindro.


Nenhum comentário: